sábado, 18 de janeiro de 2014

Real e de viés


Quase tudo o que é triste me parece bonito. Não é beleza dessa que a gente fala todo o tempo, é boniteza de profundeza. Do profundo feio, o bonito, do profundo triste, o alegre.

Nenhum comentário: