quarta-feira, 4 de março de 2015

E que o rio leve

Esse seu cheiro impregnado nos meus cabelos
Só vai embora com água de rio
É que eles passaram por tantos caminhos
Que jamais aceitariam parar no ralo do banheiro
Entre as costas, as bocas e as coxas
Ficaram fios de memória em pêlo.




Nenhum comentário: