terça-feira, 23 de outubro de 2012

Boa noite, borboleta!

           Tomei banho à meia-noite acompanhada de uma borboleta amarela que me fez pensar. Isso merece uma crônica. A borboleta tinha fisionomia de borboleta velha como gente velha têm fisionomia de gente vivida e, como um bom corpo cansado, se pôs de costas para qualquer assunto meu, sonoro ou visual. Seu corpo amarelo contrastava com todo o mais presente naquele lugar úmido. Decerto ela fazia algum tipo de som inaudível para o meio externo, muito menos com tanto barulho de água. De tão serena que era acho que tinha medo do que corria, a água, portanto manteve-se de costas até o fim.
           Por que com toda o potencial de ser borboleta ela continuava parada num lugar escuro, úmido e que não parava de chover? O amarelo não tem nada de úmido. Por que tão amarela não ia esperar o dia mais perto do sol? Enquanto enxaguava os cabelos eu observava atenta para que se ela resolvesse sair não me desse um susto, e me atentei: ela pousava, dentre mil cosméticos, na janela do banheiro e, de costas para mim vislumbrava o exterior. Entendi tudo: ela estava tão nua quanto eu, sua fraqueza estava a mostra e se transformava em força. Não era a sua opção estar ali, simplesmente lhe ocorreu estar, e sem lutar ela ia estando. E se ela não lutava consigo, por que eu lutaria?
           Mesmo em minha estranheza deixei então que ela fosse amarela escura e úmida como escolheu ser. De frente para a janela espiava o nascer do dia, a sensibilidade lhe permitia saber que já passava da meia-noite, numa noite como essa não havia lugar mais seguro para espiar o sol nascer. Quieta ela parecia querer passar despercebida, e eu a ajudei. Me enchi de solidariedade e terminei meu banho de forma a deixá-la a sós com sua nudez, e por um momento esqueceu sua gana de invisibilidade e agradeceu abaixando as asas.
- Boa noite, borboleta, preciso ficar a sós com minha nudez!

2 comentários:

Saulo Pinheiro disse...

O borboleta voltou para casa.

Enquanto isso na casa do borboleta:

( A porta se fecha, e um abjur é ligado rapidamente, como nesses filmes de suspense americano de quinta)

- Isso é hora de chegar ?! E todo molhado?! nem choveu.
- Choveu sim, lá no Guará 2!
- E você tava no Guará fazendo o que?!!
- Não tava. Só tou te corrigindo, você disse que não choveu e eu disse que choveu sim, lá no guará 2, isso não quer dizer que eu tenho que estar lá pra saber. Seu digo que choveu no Canadá, não nescessariamente eu tav...
- Cala a boca!!! Não me enrola você tava aonde?!!
- Calma amor eu posso explicar.
- Então explica!
- É... é... humm...eu tava lá na casa do Maxwell vendo o jogo.
- Quem é Maxwell?
- É aquela largatixa que estudou comi...
- Você tava era outra vez no banheiro com aquela menina tomando banho não é mesmo?!!
- Como você s... digo, QUE?
- Dai você não resistiu, e agarrou ela!! Por isso tá todo molhado, fala a verdade pra mim!!
- Não eu só fiquei lá parado!
- A é e como foi? Ela é boa de cama? Digo, de choveiro?!
- Não aconteceu nada!!
- Ela é melhor do que eu?!
- Eu juro não aconteceu nada, eu tava só olhando!
- Olhando!! Olhando!! Você é um tarado! E ela não disse nada?!
- Não, ela é um humano! Não vê malícia em borboleta! Até escreveu um texto sobre esse evento!
- Agora ela escreve pornô é?!
- Não, olha você nunca vai entender...
- Não vou mesmo e trate de vestir uma roupa, por que se não vão acabar achando que nós borboletas passamos o dia pelados!

Bárbara Cabral disse...

Bárbara Cabral que momento mágico. depois acham que a vida não transcende. disney teve de tirar as ideias de algum lugar.